Dicas da Sonia: O Clube do Filme

Caramba! Não tinha me dado conta que o último livro já fazia tanto tempo!!!

No último post eu falei de mudanças, de zona na cabeça né? Então, sinceramente não tenho tido vontade de ler nada. Porém, agora com tudo entrando nos eixos eu achei um momento gostoso pra ler. Logo que chego da academia, tomo um banho bem gostoso e faço um lanche, tenho sentido vontade de ler algo, então novos livros já estão sendo providenciados. Viva!

Agora vamos ao livro de hoje… O Clube do Filme de David Gilmour.

O Clube do Filme

O livro conta uma história real. A experiência do próprio David Gilmour (autor canadense, e não o cara fodão do Pink Floyd). Ele fala de um pai e de um filho. E não sobre pais e filhos. Ele não é comum. Ele não ensina a como educar um filho. Não pelos métodos tradicionais pelo menos.

David Gilmour é crítico de cinema meio falido e esquecido, que andava com um grave problema com seu filho Jesse de quinze anos, que simplesmente não nasceu para frequentar a escola. Ele vivia apático, triste e não conseguia evoluir. E numa tentativa desesperada David propõe ao filho que saia da escola. Mas com a condição de que assistam juntos, a pelo menos três filmes por semana. Só isso.

Agora me fala se isso é proposta que se faça a um filho? Você o faria? Você teria plena segurança de que aquilo seria para o bem de seu filho?

Por alguns instantes você vai cansar da lenga lenga do pai. Outras vezes das cabeçadas do filho, mas o fato é que ainda assim você deve ler até o final. Valerá o esforço.

Quem me indicou esse livro foi a Martha Medeiros. Sim, a autora famosa, queridinha da mulherada. Mas infelizmente não o fez diretamente a mim, mas sim a qualquer um que lesse o livro Feliz por Nada.

Fiquei tentada a ler por alguns motivos bem pontuais. Primeiro por que foi indicação de alguém que entende de escrever e o faz como poucos quando o assunto são as crônicas e as coisas do cotidiano. Segundo por ser um livro que fala de filmes, uma paixão que ando bem atrasada e afastada. E terceiro, por ser uma história real. Amo histórias reais ou baseadas em fatos reais. Amo.

O que vi neste livro é uma clara relação de homem pra homem sabe? Muitas vezes incompreendida por nós, mulheres. E um incrível poder de desprendimento do pai em deixar que o filho fizesse suas próprias descobertas, mas que com elas aguentasse também suas duras e tristes consequências. E foram muitas.

Quando ouvi falar do livro eu achei que seria simplesmente tirar lições dos filmes, tipo, qual a moral da história? O que você pode aprender com ela? Porém, foi muito além, como o pai é crítico de cinema ele procurava se aprofundar nas cenas, muitas delas antológicas. Ele nos apresenta também momentos importantes de grandes diretores e como iniciaram sua carreira. Como chegaram lá. E Jesse se interessava bastante quando a pegada era essa. E seu pai, bastante sagaz, de forma indireta tentava tocar o filho através dos filmes quando algo trágico acontecia em sua vida, como decepções amorosas e problemas com drogas.

Por alguns instantes, no decorrer do livro, a única coisa que prendia a minha atenção eram as explicações sobre os filmes, em sua grande maioria grandes clássicos do cinema. E assim eu seguia na leitura, mas por vezes achava um pouco irreal. Acho que nessas horas, era meu lado materno, que acredito que toda mulher tenha em querer proteger sua cria. Duvidando e jamais permitindo que um pai fizesse tais e tais coisas com o filho.

O livro acaba se mostrando no final que tudo aquilo era um exercício de paciência do pai com o filho. Aquela história de que só o tempo mostra e cura as coisas sabe? Então comigo foi assim pra começar e terminar este livro. E o engraçado é que apesar de ter começado a ler em janeiro, e ter passados longas semanas longe dele por causa de outras obrigações ou até mesmo preguiça, eu o terminei de ler num momento que a questão pai e filho estava em carne viva na minha vida.

Chorei como nunca ao terminar de ler. E mesmo tendo escrito este post em meados de fevereiro eu não me senti disposta a publicá-lo. Queria fazer isso quando a minha questão pai e filho estivesse resolvida, e assim esperei longos dois meses pra reler o post, lembrar do livro, corrigir e poder publicar, com o coração livre de mágoas da pessoa que causou um certo sofrimento na minha família.

Agora passou, e como é bom sentir isso. Está tudo bem. Minha família está novamente completa e eu não guardo mágoa, porque foi um aprendizado pra todos, foi mais ou menos como no livro, quando coisas doloridas aconteciam, por decisões impensadas do filho Jesse e aquilo trazia consequências difíceis, ou impossíveis de serem superadas sozinhas. Nessas horas não existe colo melhor do que de nossos pais.

Esse livro termina com uma mensagem lindíssima sobre como o tempo passa rápido quando se trata de filhos. E passa mesmo. Tenho meus sobrinhos como filhos, e sinto uma imensa saudade deles bebês.

Ai ai ai. Terminei de ler e fiquei nostálgica.

Deleite-se com a leitura!

PS: você gostando ou não do livro eu te digo com certeza: ficará doida pra ver pelo menos uma dúzia de filmes citados. E o bacana é que o livro relaciona todos os filmes mencionados. e olha que são 113!!!

Anúncios
Esse post foi publicado em Dicas da Sonia e marcado , . Guardar link permanente.

4 respostas para Dicas da Sonia: O Clube do Filme

  1. Vanessa disse:

    Bom, eu amo filmes. Assisto pelo menos uns 10 por semana, então, acho que vou curtir o livro! ;)

    • Uau prima, recorde mundial, 10 filmes por semana?!?!? Eu ando com uma média de 10 por ano, isso sim! rsrsrs
      Só não prometo te emprestar, pq o Le prometeu de pé junto que vai ler (ele odeia ler, mas esse eu acho que ele precisa ler).
      Qlq coisa eu te falo.
      bjocas

      • Vanessa disse:

        Será que sou maluca? rsrsr… Assisto muitos repetidos e muito vezes, quanto mais eu assisto, mais eu gosto.
        Estava pensando em fazer um blog, sobre filmes, não com criticas e essas coisas, mas com as minhas impressões pessoais sobre cada um deles. Pq as vezes, quero me expressar sobre isso e ninguém me da atenção. kkkkk… Pelo menos escrevendo a gente se expressa, mesmo que ninguém leia. Organizamos nossas idéias e colocamos no “papel”, para nunca mais perde-las! bjão ;)

      • Que maluca nada! Ver filme é uma delícia.
        AMEI a ideia do blog. Essa linha é mais ou menos o que imagino qnd falo de um livro, gosto de colocar na “resenha” as minhas impressões e de como ele tocou a minha vida. Acho que isso acaba tocando as pessoas com os mesmos valores que eu.
        Se quiser dicas pro blog é só pedir, mas faça, vou adorar ler e vai inspirar minha lista de filmes! :)
        Bjss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s