Medrosos Anônimos

Olá! Sou Tatiane e tenho medo de dirigir.

Sim, até hoje, 9 anos após tirar a habilitação eu ainda reluto para dirigir. E de pensar que nas aulas de direção eu simplesmente adorava aquilo.

Dia desses ao ler essa matéria na Revista Claudia eu fiquei surpresa e aliviada, pois constatei que os motivos dados pelos especialistas são exatamente o que penso do meu medo de dirigir: o medo da crítica, o medo de errar, o medo de estragar o carro, o medo de ser xingada, e tantos outros medos relacionados a uma auto-crítica (com ou sem hífem?) gigante que eu tenho de mim.

Como perceberam eu não falei do medo de dirigir propriamente dito, não sinto que tenho medo do ato de dirigir. Meu medo não é esse, apenas não quero ser criticada, porque sei que vou errar até aprender. Dá pra entender esse medo? Parece loucura não é mesmo? Mas é exatamente assim que me sinto. Aliás, será isso classificado como medo?

Logo que tirei a habilitação eu não tinha o meu próprio carro, então não queria pegar o carro dos outros (pai, namorado, irmão, cunhado) para treinar. Assim o tempo foi passando, passando, e a insegurança aumentando. Eu já inventei todas as desculpas do mundo para não dirigir, mas acho que no fundo, como boa individualista que sou, eu queria aprender sozinha ou então sem o peso de críticas fortes vindas das pessoas próximas que eu sei não terem a menor paciência em ensinar.

Esse é o próximo passo que eu quero melhorar na minha vida. E eu digo QUERO e não PRECISO, pois eu penso que devo fazer as coisas que gosto e não por imposição. Chega de tanta dureza comigo mesma não acham? Mas enfim, esses dias o meu marido quase quebrou o dedo do pé, assim como quebrou o pé uns anos atrás e eu fui “obrigada” a dirigir. Aí voltou toda aquela vontade por causa da necessidade, mas ao mesmo tempo tomada por um medo surreal de ter que fazer acontecer.

Sabe como me vejo voltando a dirigir? Assim: vou numa auto-escola focada em pessoas já habilitadas, faço minha matrícula, começo a ganhar segurança e experiência, depois num belo dia eu apenas anuncio a todos que voltei a dirigir, perdi o medo e pronto. Parece fácil né? Aceito sugestões e dicas para vencer essa minha auto-crítica tão excessiva, mas meu cérebro às vezes é meio duro de entender sabe? E se alguém se identificar ao meu relato saiba que não está sozinho.

Não sabia ao certo qual receita recomendar, mas decidi pelo Strogonoff, pois tem aquele momento de tacar fogo no negócio. E eu sei que tem gente que tem medo de cozinhar só pelo fato de ter que acender o fogão, então lá vai uma receita para enfrentar medos.

A batata palha extra fina da Yoki faz toda a diferença. Ah e não recebi um centavo pela propaganda, ela é boa mesmo!

Strogonoff de Carne

Ingredientes: 1 kg de filé mignon em tiras – 4 colheres (sopa) de manteiga (não serve margarina) – 2 cebolas médias picadas – sal – pimenta do reino – 1/2 xícara (chá) de conhaque – 200 grs de champignon em conserva fatiados – 3 colheres (sopa) de extrato de tomate – uma mistura de 1 colher (sopa) de mostarda, 2 de ketchup e 3 de molho inglês – 1 lata de creme de leite.

Modo de Fazer: comece fritando a carne com 3 colheres da manteiga em fogo alto, quando estiver cozida adicione sal e pimenta do reino. Tire a carne da panela (sem água – caso tenha juntado), adicione 1 colher da manteiga e reserve. Na mesma panela que fez a carne frite a cebola com um pouco de azeite até dourar, adicione a carne reservada e mexa bem. Espalhe o conhaque e flambe (acender um fósforo dentro da panela) – espere a chama apagar (não mexa nesse processo). Abaixe o fogo, adicione o champignon e cozinhe por uns 2 minutos. Adicione o extrato de tomate e a mistura de molho inglês, mostarda e ketchup, mexa e cozinhe por mais 5 minutos. Após essas etapas incorpore o creme de leite com cuidado, mexa delicadamente e desligue antes que comece a ferver (para não talhar).

Servir com arroz branco e batata palha não faz mal a ninguém! rs

Essa quantidade serve tranquilamente 4 pessoas esfomeadas que costumam repetir um pouquinho.

Deleite-se!

Anúncios
Esse post foi publicado em Ânimo, Desabafos, Receitas com Carne. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Medrosos Anônimos

  1. Vanessa disse:

    Kkkkkk… Dona Tatiane: a madame perfeição! Prima querida, pensa: ser xingada é normal, somos mulheres e mesmo estando certas, estaremos sempre erradas no trânsito, se somos loiras então, ferrou! rsrs…
    Após eu tirar a carta de motorista (na terceira tentativa… kkk), sofri uns dois anos, exatamente com esses medos todos… então, tive que aprender por livre e espontânea pressão, hoje não imagino como seria minha vida sem dirigir. Independência ou morte? rs…
    Se quer saber, eu sofro com esse mal da “madame perfeição” na hora de aprender língua estrangeira. Prefiro aprender o pior calculo matemático do que cursar a simples aula de Inglês. Tudo pq tenho uma mega dificuldade e tenho vergonha de não saber… Lógico, sou a senhora sabe tudo, entende? Ai, ai… eita mulherada que exige tanto de si mesma, que acabam frustradas em alguns aspectos que fogem à sua van sabedoria! hehe…
    Se precisar, eu sou mega paciente pra ensinar a dirigir… juro!

    • É prima esse negócio de querer ser certinha em tudo não dá certo pra um monte de coisas! rs
      Ahh eu já tive muito essa trava com inglês, morria de vergonha de falar errado, mas depois que fui pro Canadá essa trava desapareceu. A necessidade faz o ladrão! rs
      Ahh que bom saber que tenho uma professora paciente e disposta a ajudar! Minha meta de 2012: DIRIGIR!
      Bjocas e obrigada pelas palavras.

  2. Ana Paula disse:

    Bom Tati, como sabe também tirei carta à alguns anos e depois de uma batida, simplesmente travei… não consigo dirigir, as mãos suam meus pés tremem, enfim, já fiz aulas para pessoas habilitadas e nada… Dirijo apenas pelo bairro e olhe lá… O que sinto é que preciso da aprovação de alguém, de alguém dizendo que eu consigo, apenas a minha percepção de que sou capaz não adianta. Agora com o Daniel, o medo ficou maior, e a necessidade também. Enfim uns dizem que é prática, outros dizem para não encanar com isso, que uma hora vai, mais o medo é uma coisa que vai crescendo numa proporção assustadora…. Ah, e sobre a receita nunca fiz strogonoff flabado tenho medo de me queimar ahahaha bjs, e saudades

    • Poxa Paula, que pena que está nessa fase do medo por causa de acidente.
      Se precisar de estímulo lá vai: VOCÊ CONSEGUE! NÃO IMAGINO NADA NO MUNDO QUE UMA PESSOA DEPOIS DE SER MÃE NÃO SEJA CAPAZ DE FAZER.
      Sobre o strogonoff não tem perigo, basta acender um fósforo daqueles grandes, e esperar a chama apagar ficando bem longe do fogão.
      bjocas

  3. Pingback: Coisas que você não sabe (talvez) sobre mim… | Deleite da Vida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s